sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

WHEELMAN


Começando com um longo plano de dentro de um carro enquanto este é entregue ao Motorista (Frank Grillo), Wheelman raramente abandona o interior do veículo nos 80 minutos seguintes. E quando o faz, é para mostrar detalhes do mesmo, porém pelo lado de fora. Surgindo, portanto, como um filme de câmara, o longa escrito e dirigido por Jeremy Rush se baseia em diálogos e nas ações limitadas do protagonista, contratado para ser o piloto de fuga em um assalto. CONTINUE LENDO AQUI>>

Esta crítica foi originalmente publicada no Papo de Cinema.



quarta-feira, 29 de novembro de 2017

ASSASSINATO NO EXPRESSO DO ORIENTE


Conhecer as reviravoltas de uma trama pode destruir a experiência de acompanhá-la. Há, entretanto, os filmes que se preparam para essa eventualidade e que oferecem um olhar completamente novo e revigorante para o espectador que já sabe os rumos da história. É o caso, por exemplo, de Um Corpo que Cai, O Sexto Sentido, Clube da Luta, Oldboy, A Chegada etc - projetos que a cada revisita parecem contrair novas dimensões, ao invés de subtraí-las. Já tendo sido adaptado em mais de um país, para o cinema e para a TV, Assassinato no Expresso do Oriente é um dos livros mais célebres de Agatha Christie, e como tal, a solução de seu mistério central é famosa - tanto quanto polêmica. As implicações éticas do desfecho ainda geram discussões mesmo 82 anos depois de sua publicação - o que não é surpresa; mesmo mais de oito décadas depois o epicentro da questão ainda é um dos maiores divisores de água no sistema penal pelo mundo.

E a boa notícia é que a nova versão do romance policial de Christie, dirigida e estrelada por Kenneth Branagh, não ignora essa problematização - o que, de cara, já a difere das demais adaptações do texto, mesmo aquela tão divertida conduzida pelo mestre Sidney Lumet em 1974, e que no geral sempre preferiram dar ênfase à surpresa do final, ignorando ou tratando de forma leviana suas implicações morais. Igualmente satisfatório é perceber que Branagh também consegue evitar se tornar exclusivamente dependente do desfecho, e constrói sua narrativa de modo a entreter mesmo um leitor voraz dos mistérios da escritora.

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

BONECO DE NEVE


Num suspense policial sobre assassinatos em série, não é bom sinal quando a coisa mais chocante e surpreendente é constatar o que a idade e as plásticas fizeram com o rosto de um dos atores - no caso, Val Kilmer. Mas esse é o caso de Boneco de Neve, que apesar da direção dedicada do cineasta Tomas Alfredson e de um elenco esforçado em conferir peso e seriedade aos seus personagens, sofre com um roteiro mecânico e um desfecho, enfim, chato - o que deve ser uma das piores coisas que já me senti obrigado a escrever sobre um thriller.

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

SECURITY



Os shoppings já serviram de cenário para um tanto de filmes, das comédias aos terríficos, daqueles que funcionaram muito bem aos que são um completo desastre. Security fica em algum ponto no meio disso. Nada criativo no uso dos sets, o longa se apoia basicamente no carisma de seus personagens para funcionar – e com Antonio Banderas à frente do elenco, e Ben Kingsley na outra ponta, como vilão, a experiência acaba não sendo tão insossa quanto poderia se ali estivessem outros atores menos talentosos. CONTINUE LENDO AQUI>>

Esta crítica foi originalmente postada no Papo de Cinema.